Pesquisadores de Stanford e do Google criaram uma cidade virtual preenchida com agentes generativos, que são basicamente chatbots que interagem entre si. O objetivo era produzir "simulacros verossímeis do comportamento humano" e, de fato, conseguiram. Os agentes são configurados com informações sobre suas circunstâncias e, em seguida, são solicitados a propor suas próximas ações. Por exemplo, se é de manhã, eles escovam os dentes, se vestem e vão para a cozinha. Os agentes interagem uns com os outros, como uma família normal faria, e respondem adequadamente a eventos e circunstâncias adicionais. Embora o experimento não tenha sido revisado por pares ou aceito para publicação, é uma leitura interessante sobre os avanços em modelos de aprendizado de máquina.